Depressão acelera declínio cognitivo em Diabetes Tipo 2

O declínio ocorre de forma relativamente rápida e precisa ser monitorado. O estudo demonstra ainda que o declínio cognitivo da depressão induzida em pacientes diabéticos ocorre ao longo de um período de tempo relativamente curto (40 meses).

21 de outubro de 2013 | Autor: Centro de Diabetes Curitiba

 

Uma nova pesquisa publicada na edição de outubro do JAMA Psiquiatria fornece a mais clara demonstração de que a depressão é um fator de risco para o declínio cognitivo em pacientes com Diabetes Tipo 2.

O declínio ocorre de forma relativamente rápida e precisa ser monitorado. O estudo demonstra ainda que o declínio cognitivo da depressão induzida em pacientes diabéticos ocorre ao longo de um período de tempo relativamente curto (40 meses).

Este declínio cognitivo afeta vários domínios: velocidade psicomotora, memória verbal e função executiva. E afeta também vários subgrupos de pacientes, pela idade, sexo, doença cardiovascular prévia, nível de cognição inicial, tratamento intensivo da glicemia ou convencional, pressão arterial e controle lipídico.

Os resultados sugerem que um fator potencialmente reversível pode estar promovendo o declínio cognitivo geral na ampla população de pacientes com Diabetes Tipo 2. Desde que a demência é uma das mais rápidas complicações e mais temidas no diabetes, os resultados podem ser importantes para a saúde pública.

Dra. Luciana Pechmann – médica endocrinologista e diretora administrativa do Centro de Diabetes Curitiba, baseada na pesquisa publicada no JAMA Psiquiatria.

Gostou? Compartilhe com seus amigos.