Reposição de testosterona em homens: o que você precisa saber!

27 de maio de 2021 | Autor: Kleber Marques, médico endocrinologista do Centro de Diabetes Curitiba

Qual a verdade sobre reposição de testosterona em homens

Muitos já ouviram ou leram sobre os benefícios da reposição de testosterona no homem. Diferentemente do caso das mulheres, não há uma queda abrupta dos níveis de testosterona após uma certa idade. Portanto, o termo “andropausa” não é adequado.

Na maioria dos homens, há um declínio gradual da testosterona, entre 0,5 e 2% ao ano. Porém não há uma regra geral, e especula-se que o declínio dos níveis deste hormônio tem mais relação com doenças que surgem com a idade do que com o envelhecimento em si. Em alguns homens que se mantêm saudáveis há pouca ou nenhuma queda.

 Tratamento com reposição hormonal

De maneira oposta existe a deficiência patológica de testosterona – caracterizada como doença – esta constitui uma indicação para tratamento com reposição hormonal. Há neste caso, exames laboratoriais com níveis de testosterona reduzidos (abaixo dos níveis de referência), associados com sintomas como diminuição da libido, ausência de ereção matinal e disfunção sexual.

No consultório, quando um paciente jovem apresenta estas queixas, raramente o diagnóstico é o de deficiência patológica de testosterona. Outras medicações que o paciente possa utilizar, ou outras condições concomitantes como obesidade, podem causar os mesmos sintomas. Neste caso, fazer reposição não resulta em grande ajuda e pode prejudicar a função reprodutiva do homem, pois a testosterona exógena (geralmente através de injeções) não estimula o testículo e pode provocar sua atrofia, caso o tratamento seja prolongado.

O uso excessivo de testosterona pode acarretar outros problemas como ginecomastia (aumento das mamas em homens), predispor a tromboses, doenças cardiovasculares, distúrbios no fígado e transtornos psiquiátricos.

O endocrinologista é o profissional indicado para avaliar a necessidade e indicar a melhor maneira da reposição hormonal.

Gostou? Compartilhe com seus amigos.