Sou diabético: e agora?

Percepções e questionamentos despertados a partir do diagnóstico do diabetes.

11 de junho de 2013 | Autor: Luciana Cassarino Perez

 

São inúmeros os sentimentos, questionamentos, dúvidas, ideias e pensamentos que aparecem em quem foi diagnosticado com diabetes. Nós, profissionais que atendemos esses casos, percebemos as manifestações de forma muito clara. Elas costumam variar de paciente para paciente, mas existem temas que são comuns à maioria.

De olho nessas manifestações, pesquisadores norte-americanos publicaram, no final do ano passado, um estudo sobre as questões e percepções de pacientes adultos com menos de três meses de diagnóstico de diabetes. Hughes, Keith, Byars & Wiginton (2012) aplicaram uma técnica chamada “mapa cognitivo”, em que o paciente deveria responder, com palavras soltas e frases curtas, a seguinte pergunta: “Quando você pensa em viver com diabetes, o que vem a sua mente?”.

As respostas dos participantes do estudo foram organizadas por eles próprios em cartazes e conectadas através de linhas e setas, formando então o mapa cognitivo. A partir dos diferentes mapas, os pesquisadores chegaram a categorias dentro das quais estariam os temas que mais preocupam os pacientes no contato inicial com a doença. Foram formuladas nove categorias dentro das quais estavam temas, como:

• Comer
• Complicações do diabetes
• Limitações
• Família
• Gastos
• Espiritualidade • Perdas
• Emoções positivas
• Peso
• Açúcar no sangue
• Emoções negativas
• Autocuidado

Os temas mais citados pelos pacientes foram “comer”; “emoções negativas”; “autocuidado” e “complicações ligadas ao diabetes”. Dentro de “emoções negativas” os participantes citaram o medo, a preocupação, a solidão, a raiva, a tristeza e o estresse. Através desse mapeamento, foi possível compreender que existem sim muitos aspectos que são comuns aos pacientes que recebem diagnóstico de diabetes, e que muito pode ser feito para ajudar nesta e em futuras etapas do tratamento. Segundo os autores, a aplicação dos resultados da pesquisa está justamente em integrar os temas encontrados aos programas psicoeducativos que favorecem o enfrentamento positivo da doença.

O objetivo de dividir este estudo com vocês, leitores, sejam pacientes ou familiares, é demonstrar que questionamentos e percepções desencontradas e nem sempre positivas são comuns quando se convive com uma doença como o diabetes. A prática tem demonstrado que o período inicial é bastante carregado de emoções negativas, mas que com o tempo elas vão se dissipando, dando lugar a aceitação e outros hábitos de vida e, consequentemente, a novas e positivas emoções.

O trabalho da equipe multidisciplinar com o paciente diabético tem revelado resultados extremamente positivos. Cada profissional, com sua expertise, contribui para algum aspecto do tratamento, seja amenizando sintomas físicos, favorecendo novos hábitos alimentares, promovendo o controle glicêmico, facilitando a adaptação à nova rotina ou dando vazão aos sentimentos negativos.

Procure orientação com os diferentes profissionais disponíveis no Centro de Diabetes Curitiba. Eles estão à disposição para ajudar os pacientes e sua rede de apoio a conviver da melhor forma com a doença. Qualquer dúvida ou sugestão sobre este e outros temas não hesite em entrar em contato pelo e-mail
psicologia@centrodediabetescuritiba.com.br

REFERÊNCIA: Hughes, L. C., Keith, S. E., Byars, A. & Wiginton, K. L. (2012). Cognitive Mapping in Persons Newly Diagnosed With Type 2 Diabetes. The Diabetes Educator, 38(6), 845-854.

Gostou? Compartilhe com seus amigos.